Como ensinar um periquito a falar

Autor do contato

Treinando seu pássaro para falar

Dicas para ensinar seu animal de estimação a falar

  1. Compre seu periquito quando ele é muito jovem.
  2. Compre um pássaro. Se você conseguir dois, eles se unirão e não a você. É claro que, se você se afastar a maior parte do tempo, a solidão do seu animal de estimação pode ser ajudada com outro pássaro, mas não espere que ele se comunique com você.
  3. Incentive o vínculo imediatamente, oferecendo uma mão e depois um ombro para sentar.
  4. Repita as frases de forma consistente.
  5. Não use uma gravação, a menos que seu objetivo seja apenas ouvi-los falar e não ensiná-los a se comunicar. Os pássaros comunicativos são muito mais interessantes do que os que não sabem o que estão dizendo.
  6. Associe palavras a gatilhos. Meu pássaro, Marilyn, trabalhou com gatilhos. Ela corria de um lado para o outro e dizia: "Quero sair!" quando ela queria sair de sua jaula. Ela dizia: "Você está com fome?" quando o prato dela estava vazio. Ela repetia frases para a amiga no espelho ("Zippity doo daaaa, pássaro sexy!") E ficava especialmente vocal pela manhã (ela se relacionava com piscos de peito vermelho e papa-moscas).
  7. Uma última dica: se você quer um pássaro amigável que possa mostrar a todos, não use linguagem ofensiva ao seu redor. SEMPRE.

Minhas histórias de periquito: Baby e Marilyn

Na minha opinião, os periquitos são o melhor tipo de pássaro para fazer parte da sua família. Treinar seu animal de estimação para falar é sobre personalidade, vínculo e repetição.

A primeira palavra do bebê foi "miau"

Recebi meu primeiro periquito como presente de Natal aos 17 anos de idade. Ele tinha idade suficiente para ficar sozinho, então se uniu bem e aprendeu sua primeira palavra muito rapidamente: miou. Eu tinha um gato que também queria "se relacionar" com o meu pássaro. Foi por isso que pendurei a gaiola dele no meu teto - para impedir que o gato "se ligasse".

Portanto, o gato se sentava embaixo da gaiola ou fora da janela e miava. . . por horas e horas. Ela ficava sentada lá, independentemente de eu colocar comida no prato dela. Ela ficava sentada lá, apesar de ser expulsa dezenas de vezes ao longo do dia. Ela apenas ficava sentada e "miau". Eu tive que trancá-la no banheiro quando tirei Baby da gaiola. Eu repetia frases e o segurava na minha bochecha. Eu o carregava no meu ombro e falava com ele.

"Olá bebê!" Eu repetiria.

"Miau" foi a resposta.

"Quer um mimo!" Eu diria, segurando um pedaço de maçã na frente dele.

"Miau."

Levou uma semana para aprender a miar. Levou mais cinco semanas para dizer "Olá, bebê!" Porque foi isso? Meu gato era um treinador melhor do que eu, suponho.

Em um ano, Baby foi vítima infeliz de uma babá de animais de estimação que não fazia ideia do que estava fazendo. Eu tenho que me culpar, pois não deveria ter colocado a responsabilidade em alguém que não tinha experiência ou se sentia à vontade com os pássaros.

Marilyn tinha um vocabulário enorme

Levou mais sete anos até que eu me sentisse confiante o suficiente para conseguir outro pássaro. Tínhamos pensado que "ela" era um "ele" e tínhamos comprado propositalmente um homem porque ouvimos dizer que os homens eram os únicos que falavam. Mas esse periquito era uma fêmea jovem e, felizmente, o que ouvimos estava errado.

Levei-a para casa em sua caixinha e a coloquei diretamente na enorme gaiola que meu marido montou para ela. Nessa época, tínhamos três filhos pequenos e todos participamos do vínculo e do treinamento dela para falar. Claro, a primeira frase que Marilyn (então chamada "Merlin") apareceu foi do meu marido:

"Pássaro sexy!" ela declararia e depois faria barulhos de beijo.

Anos mais tarde, nosso periquito tinha um vocabulário enorme, e nem todas as palavras que ela aprendeu vieram de nós tentando ensiná-la. Ela nos surpreenderia pelo menos uma vez por semana com uma nova frase.

"O temporizador tocou!" ela declarou quando o forno tocaria.

"Tome um banho e escove os dentes!" ela lembrava as crianças quando elas desciam pela manhã.

"Desculpe!" ela gritaria quando alguém arrotava.

Ela amava pessoas que tinham medo de pássaros. Mantivemos a gaiola aberta a maior parte do tempo e, quando tivemos uma companhia inesperada, ela se recusou a entrar. Ela se apoiava na cabeça e declarava seu amor, e quanto mais medo eles tinham, mais ela os amava.

Etiquetas:  Cães Pássaros Coelhos