Seu cão é mais esperto do que você pensa: comunicando-se com seu cão

Autor do contato

Por que os cães nos amam

Os cães há muito são aclamados como o melhor amigo do homem, e para qualquer dono de um cão agradável, esse ditado parece verdadeiro. No entanto, muitas amizades não explodem espontaneamente em relacionamentos totalmente confiáveis ​​e mutuamente benéficos, e laços fortes geralmente levam anos para se desenvolver.

Por outro lado, quando um filhote é confrontado com um humano, ele quase imediatamente começa a latir, lamber e amar. Nesse sentido, pode ser melhor chamar os cães de "melhor amigo geneticamente adaptado do homem". Devido à co-evolução de cães e seres humanos, os cães são geneticamente ajustados para serem mestres na compreensão de nossos comandos e, desde tenra idade, querem se comunicar conosco muito mais do que qualquer outra espécie animal.

Vamos passar por três experiências diferentes feitas por pesquisadores e examinar como os cães leem nossos olhos, entendem nossos pontos de vista e, desde tenra idade, sabem que somos uma fonte de ajuda e um amigo em um momento de necessidade.

Antes de analisarmos as experiências, uma característica divertida que você e seu cão compartilham

Humanos e cães têm olhos semelhantes, pois ambos temos esclera branca (a parte branca do olho). Foi proposto que os animais com uma forte co-dependência dentro das espécies tenham esclera branca, porque torna muito fácil dizer para onde seus colegas estão olhando.

Enquanto os humanos são únicos em poder mostrar uma grande variedade de emoções através de nossos olhos, outros animais (especificamente cães) descobrem que saber para onde seus colegas estão procurando é benéfico à vida social. Não acredita em mim? Confira a foto abaixo e observe as semelhanças entre nossos olhos e o de um cachorro.

Agora a pergunta: os cães podem realmente receber informações de nossos olhos? A resposta é sim, e eles fazem isso melhor do que os gênios do reino animal, os chimpanzés.

Esclera Branca vs. Esclera Marrom

Experiência nº 1: os cães podem ler nossos olhos?

Agora, quando não há possibilidade deles receberem um tratamento, os cães não mostram nenhum desejo particular de seguir para onde você está olhando. Quando eles aprendem que, quando acertam, recebem um tratamento, o jogo muda completamente. Aqui está o detalhamento do experimento realizado por Krisztina Soproni e uma equipe de pesquisadores (evitarei listar todos os detalhes no método):

Duas tigelas à prova de som e cheiro foram usadas, uma das quais continha um deleite saboroso para o cão. Os pesquisadores treinaram o cão para entender que, se ele pegasse o recipiente correto, receberia o tratamento como recompensa, incentivando o cão a escolher corretamente. Por fim, havia três maneiras diferentes de os pesquisadores tentarem levar o cão para o recipiente correto.

1. "No alvo": a pesquisadora virou a cabeça na direção da tigela e focou o olhar na tigela.

2. "Acima do alvo": a pesquisadora virou a cabeça na direção da tigela, mas olhou acima e além da tigela (basicamente no teto).

3. "Somente olhos": a pesquisadora apenas desviou o olhar para a tigela, enquanto sua cabeça permanecia reta.

Houve 12 ensaios no total.

Resultados da experiência nº 1: os cães podem ler nossos olhos?

Os resultados para o teste são os seguintes - também há uma tabela abaixo intitulada "Tabela 1", se você deseja números.

Uma observação rápida antes de examinar as tabelas e os resultados: As médias próximas a 50% (45-55) são chamadas de "À Chance", o que significa adivinhar. Médias abaixo de 45% são consideradas "Abaixo da Chance" e aquelas acima de 55% são chamadas "Acima da Chance", ambas mostrando que há menos hipóteses.

At Target : Os testes At Target envolveram todos os participantes com desempenho mais ou menos no mesmo nível, o que é impressionante para os cães, considerando que estavam enfrentando humanos e chimpanzés.

Acima do objetivo : os chimpanzés tiveram o melhor desempenho nos testes acima do objetivo, com bebês e cães indo muito mal. No entanto, isso é realmente bom para os cães e os bebês e ruim para os chimpanzés. Por quê? Porque os chimpanzés estavam simplesmente olhando para a direção que a cabeça do pesquisador apontava e não prestavam atenção aos olhos. Para cães e bebês, quando a pesquisadora tinha os olhos acima e acima da tigela contendo alimentos, os cães e os bebês viam isso como um sinal de indiferença ou falta de atenção. Os cães veem os olhos não focados e pensam: "Ei, esse humano não se importa com o que está acontecendo aqui, então eu vou seguir meus caminhos caninos". É bastante interessante descobrir que, quando você tira o uso dos olhos, seu cão acha muito mais difícil entender o que você está tentando se comunicar ou simplesmente pensa que está ignorando.

Somente os olhos : para os testes do Eyes Only, os cães tiveram o pior desempenho entre os três, com os bebês e os chimpanzés se apresentando no nível "At Chance", o que significa que eles estavam mais ou menos adivinhando. Você está pensando "Se os cães são tão bons em ler nossos olhos, por que eles fazem o pior?" O motivo pode surpreendê-lo!

Por que esse teste mostra que os cães são especiais: a explicação dos resultados apenas para os olhos

Então, por que os cães se saíram tão mal nos ensaios do Eyes Only em relação aos outros participantes? O motivo é realmente muito interessante, mas veja se você consegue descobrir isso sozinho, olhando para a segunda tabela.

Tabela 1: Porcentagem média de palpites corretos para chimpanzés, bebês e cães

No alvoAcima do objetivoApenas os olhos
ChimpanzésAprox. 75%Aprox. 65%Aprox. 55%
BebêsAprox. 75%Aprox. 48%Aprox. 50%
CãesAprox. 75%Aprox. 52%Aprox. 49%
Essa é a porcentagem média de palpites corretos para cada sujeito em todos os ensaios. Surpreendentemente, os cães não se saíram bem nos testes 'Eyes Only', mas há uma razão muito interessante pela qual isso será explicado abaixo. Dados extraídos de Povinelli et al.

Tabela 2: Porcentagem média de palpites corretos por cães apenas com base no teste e divididos por testes

Avaliações 1 a 3Avaliações 4 a 8
No alvoAprox. 70% CorretoAprox. 83% Correto
Acima do objetivoAprox. 50% CorretoAprox. 55% Correto
Apenas os olhosAprox. 31% CorretoAprox. 60% Correto
Esta tabela mostra a quantidade média de suposições corretas para todos os cães em cada tentativa. Preste atenção especial ao grande aumento na quantidade de suposições corretas nos testes 'Eyes Only' ao longo do tempo. Dados extraídos de Soproni et al. (2001)

A resposta e mais

Entender? O desempenho inicial dos cães nas três primeiras tentativas do experimento foi tão ruim que só poderia significar uma coisa. Que os cães estavam escolhendo o recipiente errado de propósito (provavelmente porque pensavam que o pesquisador estava marcando seu território olhando para a xícara "dela").

No entanto, nos próximos quatro ensaios, você pode ver que os cães começaram a ter um desempenho muito acima do acaso, porque descobriram que o recipiente sendo examinado significava "tratar por eles". E é por isso que os cães se saíram tão mal nos testes "Somente para os olhos". É porque eles propositalmente buscaram os contêineres errados nas primeiras tentativas e, em seguida, adivinharam com muita precisão os contêineres certos posteriormente no teste. A figura acima é uma média e leve isso como uma lição do por que nem sempre tabelas e gráficos são confiáveis.

Então, o que isso tudo significa? Parece mostrar que, quando se trata apenas de usar os olhos, os cães são realmente mais espertos que os chimpanzés e os bebês ao entenderem o olhar como significativo na transmissão de informações. Eles foram apenas vítimas da média dos resultados, e enquanto bebês e chimpanzés estavam apenas adivinhando (ficar perto de 50% é considerado "à sorte" e mostra adivinhação), os cães, na realidade, perceberam imediatamente que os olhos estavam sendo usados. sinalizar. 1

Experiência nº 2: os cães podem entender apontar?

Em um estudo realizado em 2009 por Nicole Dorey, Monique Udell e Clive Wynne, da Universidade da Flórida, foi pesquisada a capacidade dos cães de entender sinais apontadores (humanos apontando de certa maneira para um copo que escondia comida).

A idéia básica de como eles fizeram o teste é mostrada na imagem (abaixo, deleite-se com minhas incríveis habilidades no MS Paint) e também no vídeo. Uma observação, no entanto, o experimento realizado no vídeo não é tão preciso quanto o que expliquei (eles não controlam o cheiro no vídeo), e também fala sobre os cães "nascendo com" a habilidade de entender pontos. Ambos os tornam um pouco instável, mas ainda é um exemplo visual muito bom do que está sendo explicado (também aparece no experimento Eyes Only discutido acima).

Esboço básico da experiência de apontar

O método

Agora, a ideia para este teste não é de forma alguma única (daí o vídeo), e já foi feita várias vezes antes. Usando isso a seu favor, os pesquisadores fizeram questão de não repetir os erros cometidos por pesquisadores anteriores. Aqui está o método básico deste experimento, para acompanhar o diagrama acima:

  1. O pesquisador estava sentado a 0, 5 m de distância do meio dos dois copos.
  2. O pesquisador pegou os dois copos escondidos do filhote e depois retirou a isca de um dos copos. Isso foi feito para garantir que o filhote não fosse a um copo por causa do barulho que ouvia de um lado durante a isca. Para neutralizar o cheiro, os pesquisadores usaram dois copos plásticos (pense em copos vermelhos para festas) e os empilharam um sobre o outro. Depois, colocam um pedaço de recompensa entre os dois copos para fazer com que ambos cheiram igualmente a comida. Pense em um sanduíche de PB&J com o pedaço de comida anuladora de cheiro sendo o PB&J e as duas xícaras sendo o pão.
  3. A pesquisadora chamou o filhote para chamar sua atenção e, com as mãos começando em uma posição neutra, estendeu o braço para apontar para um copo (o dedo parou a 10 cm do copo) por aproximadamente 1 segundo e depois voltou para o copo. posição inicial neutra.
  4. Depois que o pesquisador voltou à posição neutra, o filhote foi liberado. Após 3 segundos, se o filhote chegasse a 10 centímetros do copo correto, era considerado um palpite correto.

É isso pelo método. Eles fizeram questão de não deixar o braço estendido enquanto o filhote escolhia uma xícara, porque um teste anterior descobriu que filhotes com menos de 6 semanas de idade estavam adivinhando 'corretamente' usando esse tipo de sugestão visual. No entanto, os filhotes estavam simplesmente chegando às mãos estendidas do pesquisador. Então, quais foram os resultados?

Exemplo do teste de apontamento

Os resultados do teste de apontamento

De volta ao ponto em que os filhotes supostamente são capazes de ouvir sinais humanos a partir das seis semanas de idade, isso levou os pesquisadores a pensar que os cães poderiam "se comunicar" com os seres humanos, independentemente de sua ontogenia (educação e ambiente). Os resultados deste teste, no entanto, parecem provar o contrário. Os filhotes escolhidos para fazer os testes tinham entre 9 e 24 semanas de idade, e aqui está como eles se saíram.

O número de palpites corretos por filhotes, agrupados por idade

Número médio de palpites corretos
Grupo 1: Filhotes de 9 a 12 semanasMédia 48% Adivinhado Corretamente
Grupo 2: Filhotes de 13 a 16 semanasMédia 51, 6% Adivinhou Corretamente
Grupo 3: Filhotes de 17 a 20 semanasMédia 62, 5% Adivinhou Corretamente
Grupo 4: Filhotes de 21 a 24 semanasMédia 74, 4% Adivinhado Corretamente
Observe como, com 21 ou mais semanas de idade, os filhotes tiveram desempenho acima do acaso. Dados extraídos de Dorey et al. (2009).

Resumo da Experiência 2: O Teste de Apontar

Então, o que isso mostra? Que os filhotes precisam de algum tempo para se desenvolver e crescer, e talvez experimentar seres humanos. Mas, eventualmente, eles se tornam bastante hábeis em decifrar nossos comandos desde a tenra idade de cinco a seis meses. De acordo com os resultados, no entanto, eles não necessariamente nascem com a habilidade que os torna capazes de decifrar sinais humanos apontadores (como o vídeo dizia).

Isso é bastante impressionante, e mesmo nossos filhos (bebês) provavelmente não conseguiram decifrar apontamentos sem que fossem usados ​​em suas vidas diárias. Portanto, mesmo que os cães não sejam geneticamente dispostos a serem capazes de atender a todos os nossos comandos desde o nascimento, eles têm cérebros bastante impressionantes que lhes permitem se relacionar conosco. Aqui está um estudo que compara cães e seus parentes genéticos próximos, lobos. 2

O debate Lobo vs. Cão: Quem é mais esperto?

Ao longo da minha curta vida, ouvi falar de pessoas que possuem lobos e tive que lidar com a pessoa que conta a história de um amigo de um amigo falando sobre como era legal e como era como um cachorro. Este próximo teste, no entanto, parece provar o contrário.

Experiência nº 3A: Cães vs. lobos em compatibilidade humana

Na universidade de Eotvos Lorand, localizada na Hungria (a maior universidade do país), os pesquisadores realizaram um experimento comparando a personalidade de cães e lobos quando se trata de socializar com seres humanos e também a inteligência geral dos cães.

Na maioria das vezes, os cães foram considerados mais burros do que seus colegas mais selvagens, com a concepção comum de domesticação, igualando uma perda insubstituível de células cerebrais. Como o cão não precisa mais pensar e lutar por sustento e abrigo, o cérebro e o corpo ficam entorpecidos, certo? Errado! Vamos nos referir a um estudo realizado nos anos 80. Os cientistas observaram os lobos selvagens da melhor maneira possível, tentando executar tarefas relativamente difíceis. O que foi descoberto foi que um lobo, depois de ver um humano destrancar um portão uma vez, poderia imitar a ação e destrancar ele mesmo. Os cães, por outro lado, depois de assistir o humano destrancar o portão várias vezes, sentaram-se lá com um olhar vazio e bacon no cérebro. Ou assim eles pensaram. . .

Pensando que os cães eram realmente mais espertos do que os creditados, o pesquisador chefe da Eotvos Lorand imaginou que os cães eram perfeitamente capazes de destrancar um portão, mas simplesmente estavam esperando o comando fazer isso. Ele testou isso não colocando um cachorro em um portão trancado, mas vendo com que sucesso os cães realizavam tarefas sem a ajuda do proprietário e depois com ela.

Método

Foram selecionados 28 cães com graus variados de proximidade com o proprietário, com alguns passando a maior parte do tempo ao ar livre e sem contato próximo com seres humanos, e vice-versa. A comida foi colocada no lado oposto de uma cerca, com uma alça claramente visível e mordível saindo por baixo da cerca. A idéia era que o cachorro mordesse a maçaneta e depois arrastasse o prato de comida para o lado deles.

Resultados

Quando os cães eram simplesmente jogados contra a cerca e o prato de comida do outro lado, aqueles cães que passavam mais tempo ao ar livre e tinham um relacionamento menor com o dono se saíam muito melhor do que aqueles com um relacionamento próximo com os donos. Isso por si só faria pensar que a domesticação realmente torna os cães mais estúpidos, pois os cães que tinham mais independência e passavam mais tempo na natureza tiveram um desempenho melhor. No entanto, quando os proprietários foram autorizados a dar permissão verbal durante a tarefa, a diferença entre os dois grupos desapareceu.

Experiência nº 3B: o verdadeiro teste de compatibilidade de cães

Curioso para testar ainda mais a compatibilidade exclusiva dos cães com humanos e seus vizinhos genéticos, o lobo, a mesma universidade fez os alunos criarem filhotes de lobo e filhotes de cachorro. Os alunos alimentavam à mão, brincavam, arrulhavam e amavam da melhor maneira possível seus respectivos amigos animais.

Três semanas depois, para testar o relacionamento dos lobos e dos cães com seus donos, eles os colocaram em uma sala com seus respectivos donos de estudantes, e é aí que as diferenças começam a aparecer. Os lobos estavam imóveis, enquanto os filhotes tentavam chamar a atenção do aluno com o qual estavam emparelhados, beliscando as mãos, latindo em tom alto e caminhando até eles. A próxima fase do experimento é a mais interessante.

Método para a Fase 2 da Experiência nº 3B

Aos três meses de idade, para testar se os cães têm uma disposição genética específica para querer se relacionar e interagir com seres humanos, a universidade realizou o seguinte teste:

  1. Semelhante ao problema da cerca acima, um pedaço de carne foi preso a uma corda, sendo a carne inatingível, a menos que o cachorro puxasse a corda e a arrastasse em sua direção.
  2. Os filhotes de cães e lobos, juntamente com seus donos, foram colocados ao lado da cerca apenas com a corda.
  3. Ambos foram então autorizados a descobrir por si mesmos como resolver o problema de obter a carne.

Como eu tenho certeza que você adivinhou, quando deixados sozinhos, os dois animais foram capazes de arrastar a corda para pegar a carne. Isso não é surpresa, nem particularmente interessante, o que me leva à próxima parte.

A fase verdadeiramente interessante desta experiência

Com tudo exatamente igual ao experimento acima, a carne estava agora ancorada no chão do outro lado da cerca, e é aqui que as verdadeiras diferenças são mostradas. Quando o filhote puxou a carne e percebeu que não estava se aproximando, passou por cima de seu dono e, à sua maneira única, pediu algum tipo de assistência. Os lobos, por outro lado, começaram a puxar a corda até se cansarem, praticamente ignorando seus donos e concentrando-se apenas na carne.

O que isso mostra? Mesmo que os dois animais tenham sido criados exatamente da mesma maneira desde o nascimento, a pessoa tinha um desejo claro de se comunicar com os seres humanos e parecia perceber que os humanos podiam ajudar a resolver problemas, ou dar dicas ou comandos sobre como obter guloseimas. Esse animal, é claro, é nosso amigo geneticamente compatível, o cachorro. 3

Resumir

Depois de analisar toda essa pesquisa científica e o mumbo jumbo (exceto a terceira parte), tenho certeza de que você apenas reforçou sua crença inicial de que seu cão é especial. Os cães podem não ser capazes de debater política ou dar dicas sobre ações, mas são bastante inteligentes quando se trata de se comunicar conosco e de prestar atenção em nós.

Com a maneira como eles podem ler nossos olhos e movimentos do corpo, pode ser assustador realmente jogar uma partida de pôquer contra um cachorro. Além disso, nem todo animal é capaz de fazer o que um cão pode fazer, mesmo um que é supostamente o ancestral e, portanto, um parente genético próximo. Os cães têm algo especial que lhes permite ser bons companheiros para nós e, esperançosamente, depois de ler isso, você alcançou um argumento um pouco mais científico e empírico sobre o motivo pelo qual você é uma “pessoa cachorra”. Obrigado pela leitura!

Referências

  • 1 Soproni, K., Miklosi, A., Topal, J. & Csanyi, V. 2001. Compreensão dos sinais comunicativos humanos em cães de estimação (Canis familiaris). Journal of Comparative Psychology, 115, 122-126.
  • 2 Dorey, N., Udell, M. e Wynne, C. 2009. Quando os cães domésticos, Canis familiaris, começam a entender o apontamento humano? O papel da ontogenia no desenvolvimento da comunicação interespécies. Animal Behavior, 79, 37-41.
  • 3 Colin Woodard Correspondente do Christian Science Monitor. (26 de outubro de 2005). Por que seu cachorro é mais esperto que um lobo: [ALL Edition]. O Christian Science Monitor, p. 17
Etiquetas:  Cães Coelhos Roedores