Comportamentos Sociais de Cavalos Selvagens e Domésticos

Autor do contato

Um sistema social multifacetado

Os cavalos, como a maioria das espécies de ungulados, são animais altamente sociais. Sob condições selvagens ou mesmo no pasto, os cavalos vivem em grupos chamados haréns ou bandas. Na natureza, um harém normalmente consiste em um a seis garanhões, várias éguas e filhotes de éguas com até cinco anos de idade. Os haréns não se limitam a nenhuma área geográfica, pois costumam viajar continuamente em busca de comida e água. O tamanho do harém pode variar de 2 a 21 cavalos, com vários haréns de garanhão sendo geralmente maiores que os de um único garanhão. No centro do harém estão as próprias éguas, que permanecerão juntas mesmo que o garanhão morra ou deixe o rebanho. Um garanhão, o macho do mais alto escalão do harém, faz a maioria (se não todos) da criação e serve para proteger o rebanho de ameaças. No entanto, isso não quer dizer que o garanhão seja sempre o cavalo de classificação mais alta no rebanho, pois éguas mais velhas podem facilmente assumir a posição mais dominante. Não é de surpreender que os descendentes de éguas dominantes também se tornem indivíduos de alto escalão em seus rebanhos mais tarde na vida. Isso é indicativo dos componentes genéticos e da experiência no sistema de hierarquia de rebanhos.

As relações entre os membros do harém são multifacetadas e dependem de vários fatores. A hierarquia do rebanho parece ser linear e associada à idade ou à capacidade de sobreviver em situações desafiadoras; não é necessariamente baseado em altura, peso, sexo ou tempo dentro do harém, como muitas pessoas pensariam. O status dentro de um rebanho também depende das idades e sexos dos outros membros; quanto mais membros e mais membros em cada faixa etária e sexo, menor a probabilidade de ocorrer uma hierarquia de dominância. Isso é extremamente importante a considerar ao montar cavalos, já que é necessária atenção ao manejo ao abrigar cavalos ou introduzir novos cavalos em um grupo já estabelecido.

A hierarquia do rebanho parece ser linear e associada à idade ou à capacidade de sobreviver em situações desafiadoras; não é necessariamente baseado em altura, peso, sexo ou tempo dentro do harém, como muitas pessoas pensariam.

The Rank

O garanhão dominante tem primeira prioridade para as éguas no cio, geralmente é o único a remover uma potra ou potro do harém e geralmente é o único a roubar éguas de outros haréns. A menos que engravidem, as éguas têm ciclos de 21 dias durante a primavera e o verão. A maioria dos potros e potros nascidos no harém permanecerão com o grupo até que se tornem sexualmente maduros (geralmente por cerca de dois anos), quando o garanhão mais alto os expulsará do rebanho. Até potros e potros que não são removidos do rebanho geralmente saem sozinhos aos cinco anos de idade (quando socialmente maduros) para ingressar ou estabelecer outros haréns. Os potros que não saem do harém original tendem a ter menos filhos. Todos esses são métodos eficazes pelos quais a natureza combate a endogamia.

Os garanhões jovens que são removidos de seus rebanhos originais podem permanecer por alguns meses sozinhos antes de se juntar a outros machos solos, formando rebanhos “solteiros”. O indivíduo mais dominante desses garanhões solteiros geralmente é o primeiro a adquirir uma égua e iniciar um harém, após o qual esse ciclo continua com os outros garanhões. Os potros jovens que são expulsos de seus rebanhos podem optar por ingressar temporariamente em um rebanho de solteiros para proteção, mas também são frequentemente fundidos em outros haréns mais estabelecidos por seu garanhão dominante. Além da “fase de bacharel”, os garanhões raramente estão sozinhos; se isso ocorrer, o garanhão geralmente é muito velho ou não é adequado para se juntar ou manter um harém.

Embora a classificação do rebanho nos garanhões se baseie principalmente no acesso a éguas e potros, a classificação entre éguas geralmente é determinada pela qual éguas podem levar o rebanho a recursos ou oferecer proteção ao rebanho. Quando um harém se move como uma unidade, a fêmea dominante geralmente lidera na frente, enquanto o garanhão dominante segue logo atrás do rebanho para garantir que todas as suas éguas e potros estejam acompanhando. Como os haréns consistem principalmente de mulheres, são as mulheres que tomam a decisão de deixar ou ficar com o harém; isso geralmente é baseado em fatores como o número e a qualidade dos garanhões e a quantidade de recursos disponíveis. As fêmeas dominantes podem interferir efetivamente na amamentação dos potros das fêmeas menos dominantes; isso pode ser uma variante da “sobrevivência do mais apto”, já que os potros de éguas mais dominantes têm maior probabilidade de sobreviver se não estiverem competindo por recursos com os potros de éguas menos dominantes. Como muitos animais de rebanho social, as éguas podem formar “amizades” e preferencialmente se arrumar. Por mais implacável que alguns desses comportamentos possam parecer, esse padrão é típico de muitas espécies de rebanhos; a hierarquia é determinada principalmente por meio de animais com classificação inferior que diferem daqueles com classificação superior, não pelos resultados de brigas ou matanças.

Os efeitos da classificação existem não apenas entre indivíduos, mas também entre rebanhos inteiros. Rebanhos com vários garanhões são dominantes sobre haréns com apenas um garanhão. Isso é mais provável porque os garanhões de classificação mais baixa dentro de um rebanho conduzem a maior parte dos combates que ocorrem entre os rebanhos na tentativa de roubar éguas por si mesmos. Os rebanhos que ocupam uma área ou usam um recurso (como um poço de água, área de pastagem etc.) tendem a retê-lo por longos períodos de tempo, mantendo outros haréns afastados. Os haréns, assim como os cavalos individuais, seguem padrões específicos de marcação fecal como forma de comunicação.

Por mais implacável que alguns desses comportamentos possam parecer, esse padrão é típico de muitas espécies de rebanhos; a hierarquia é determinada principalmente por meio de animais com classificação inferior que diferem daqueles com classificação superior, não pelos resultados de brigas ou matanças.

Criação e Gestação

As três fases do comportamento sexual em cavalos são o namoro, o acasalamento e o comportamento pós-acasalamento. Durante o namoro, o garanhão se aproxima de uma égua em estro (ou calor), empinando, cheirando, esfregando-a e cuidando-a enquanto exibe frequentemente a resposta de homens de lobo (segurando a cabeça, curvando o lábio superior e inspirando pelas narinas) para continuar determinar seu status hormonal. Se a égua ainda não estiver em sua fase receptiva, ela pode gritar, chutar ou fugir para mostrar ao garanhão que ela ainda não está pronta para ser criada. A ovulação geralmente ocorre 36 horas antes do final do estro, quando o comportamento estral começa a declinar. Quando a égua estiver pronta, ela ficará parada com as patas traseiras em direção ao garanhão, desviará o rabo, urinará, "piscará" a vulva e permitirá que o garanhão a monte. Sob condições naturais no pasto, a criação pode atingir 100% de sucesso em éguas de impregnação, enquanto a reprodução controlada ou manual pode alcançar apenas 50-60% de taxas de sucesso. Provavelmente, isso se deve ao aumento da familiaridade entre os cavalos, maior fertilidade devido ao namoro mais longo e menor agressão.

A gestação em cavalos geralmente dura 315 a 365 dias, sendo 340 dias a média. Os elementos que controlam a duração da gestação incluem estado nutricional, época do ano (mais curta se for criada no final do verão) e sexo (um pouco mais se o potro for do sexo masculino). As éguas quase sempre entregam à noite, mesmo com luz artificial constante. Após o parto, a ligação entre a égua e os seres do potro é imediata. O cavalo é um animal presa, então o potro aprende a ficar de pé e a andar algumas horas depois de nascer. A enfermagem é iniciada instintivamente pelo potro e parada pela égua.

Estágios e sintomas do ciclo estral de uma égua

Estágio do CicloSintomasSignificado
Cedo (dias 1-3)Sinais mistos; pode guinchar, agachar, levantar a cauda e pulverizar a urina, mas não permitirá que um garanhão monte.Mare quer interessar e excitar o garanhão, mas ainda não permitirá que ele se reproduza por falta de ovulação.
Completo (dias 4 e 5)Dará todos os sinais (guinchando, agachando, levantando a cauda, ​​pulverizando) e permitirá que um garanhão monte.O ovo está na ovulação ou próximo dela. Égua procriará, pois ter esperma no corno (s) uterino (s) nesta fase aumenta as chances de concepção.
Tarde (dias 6 e 7)Sinais mistos, assim como o calor inicial. Alguns ainda podem permitir que um garanhão monte, outros não.O comportamento pode ou não permitir que a fertilização ocorra, pois é possível várias horas após a ovulação, mas é menos provável nesse estágio.
Anestrus (não no calor)Não busca interação com o garanhão. Se o garanhão se aproximar, algumas éguas podem agir agressivamente.Período de inatividade sexual. Se a concepção ocorreu, o trato uterino altera seu ambiente químico e físico para apoiar o feto.
Estágios gerais, sintomas típicos e significado conceitual do ciclo estral de uma égua normal.

O cavalo é um animal presa, então o potro aprende a ficar de pé e a andar algumas horas depois de nascer.

Vida pregressa

Nos primeiros meses de vida, os potros são totalmente dependentes de suas mães e têm interação mínima com os outros cavalos do harém. Em cerca de dois meses, começa o estalar (mastigar os dentes). Snapping é uma expressão facial comportamental na qual os lábios são retraídos e os dentes são apertados. É exibido por potros para cavalos adultos, especialmente garanhões. Sua função pode ser reduzir a agressão de adultos, uma maneira de afirmar: "Sou apenas um bebê, não me machuque". Também é possivelmente explicado como comportamento de enfermagem deslocado (enfermagem aérea). Capturar picos aos dois meses de idade e depois declina constantemente. Esse comportamento não é o mesmo que bater; bater é uma ameaça agressiva na qual as orelhas são recostadas, a boca está aberta e os lábios estão batendo, mas os lábios não são puxados para trás.

Com cerca de três meses de idade, os potros entram no período de socialização. Até esse momento, o jogo geralmente é solitário. Nesse ponto, os potros começam a explorar e brincar com outros potros. Existem diferenças de sexo no jogo; os potros jogam com mais freqüência do que os potros, e os jogos entre potros são diferentes dos jogos entre os potros. Os potros se concentram mais em brigar e montar ao jogar, enquanto os potros se concentram mais em competir e se arrumar. Os potros preparam os potros e os potros, enquanto os potros tendem apenas a preparar os potros. Isso foi interpretado como prática provável para o comportamento futuro do namoro. Brincar é uma experiência social importante para o desenvolvimento social normal e a interação na vida adulta. Após cerca de quatro meses de idade, os potros começam a desenvolver personalidades mais independentes e passam mais tempo exibindo comportamentos adultos, como pastar e permanecer em pé.

Cavalos jovens exibindo o comportamento do Snapping ("Tooth Chomping") na presença de um cavalo mais velho.

A Importância do Movimento para o Cavalo

O movimento livre é um fator importante no desenvolvimento de cavalos jovens. Muitos problemas de comportamento em cavalos domésticos são frequentemente associados ao confinamento; eles não evoluíram para ficar em barracas ou pequenos piquetes o dia todo. Comportamentos comuns relacionados ao confinamento incluem agressão de criação, mastigação de madeira, presépio, paica, caminhada em estol, tecelagem, pata e automutilação. Esses comportamentos geralmente podem ser evitados com bastante tempo de participação e atividade física; no entanto, esses comportamentos costumam ser uma dor de cabeça para reverter ou gerenciar uma vez estabelecidos. Em condições selvagens, os cavalos passam pelo menos 60% do dia procurando e explorando e comem muitas pequenas refeições por dia. Em geral, o resto do tempo é gasto descansando, participando de atividades sociais com outros membros do rebanho e cativando os humanos com sua beleza e espírito livre. Para profissionais veterinários que buscam mais informações sobre os comportamentos sociais dos cavalos e sobre como aplicar esse conhecimento à sua prática, o Comportamento Equino: Um Guia para Veterinários e Cientistas Equinos é uma excelente fonte de informações mais detalhadas.

Etiquetas:  Cavalos Animais de fazenda como animais de estimação Pássaros