Distemper felino ou panleucopenia: fatos sobre vírus e doenças

O que é a cinomose felina (panleucopenia)?

A cinomose felina é uma doença séria que afeta tanto os gatos domésticos quanto os selvagens. É causada por um vírus extremamente difundido no ambiente e muito contagioso entre os gatos. De fato, acredita-se que quase todos os gatos domésticos sejam expostos ao vírus durante a vida. A doença que às vezes se desenvolve é frequentemente fatal e fatal, principalmente em gatinhos. É possível que um gato se recupere da cinomose felina, no entanto. A boa notícia é que está disponível uma vacina que oferece excelente proteção contra a doença

Panleucopenia felina é o nome oficial da cinomose felina e é o termo preferido para algumas pessoas. O vírus que causa a doença é chamado vírus da panleucopenia felina, ou FPV. É um membro da família dos parvovírus. A palavra "leucopenia" significa uma contagem baixa de glóbulos brancos, que é um dos principais sinais da cinomose felina. "Pan" significa que todos os tipos de glóbulos brancos são reduzidos em número.

O FPV pode causar doenças em gatos domésticos, gatos selvagens, guaxinins, martas e coatimundis. Também pode infectar furões, embora isso não seja certo. O vírus da cinomose felina não é o mesmo vírus que causa a cinomose canina e não infecta os seres humanos.

Nota

As informações neste artigo destinam-se a interesse geral. Qualquer pessoa que tenha perguntas relacionadas à saúde de seus gatos deve consultar um veterinário.

O vírus felino da panleucopenia

Um vírus é uma partícula microscópica feita de DNA (ou uma molécula muito semelhante conhecida como RNA) cercada por uma camada de proteína. O DNA contém o código genético de um organismo. É encontrado nas células de animais, plantas e bactérias, bem como em muitos vírus. Um vírus não consiste de células, no entanto, e opera de maneira diferente dos organismos celulares.

Para se reproduzir, um vírus deve enviar seu DNA (ou RNA) para uma célula viva. Quando isso acontece, a célula produz novas partículas de vírus. As partículas então escapam da célula, freqüentemente destruindo-a no processo. O vírus da panleucopenia felina possui uma afinidade especial pelas células felinas que estão na fase de divisão do seu ciclo de vida.

Transmissão do vírus

O FPV pode ser transmitido de um gato para outro de várias maneiras. O processo pode acontecer diretamente quando um gato saudável inala ou engole substâncias liberadas de um infectado. Essas substâncias incluem saliva, muco, urina, fezes, vômito e sangue. Diz-se que um gato infectado "libera" o vírus, o que significa que libera partículas de vírus de seu corpo. Uma infecção por cinomose dura de cinco a sete dias, mas o gato pode liberar partículas de vírus por até seis semanas após não ter mais o vírus. sintomas da infecção.

O vírus também pode ser transmitido por fomitos, que são objetos inanimados que carregam organismos infecciosos, como vírus e bactérias. Os fomites incluem roupas de cama para gatos, camas para gatos, brinquedos, tigelas de comida e tigelas de água. Os vírus podem existir sem água, oxigênio ou qualquer outro requisito da vida. O FPV é um vírus especialmente resistente e é resistente a temperaturas extremas. O vírus ainda pode estar ativo depois de ficar fora do corpo de um gato por um ano ou mais.

Uma gata pode transmitir o vírus da cinomose aos filhotes enquanto eles ainda estão no útero. Os seres humanos podem transferir o vírus de um gato para outro em seus sapatos, roupas e mãos. As pulgas podem transmitir o vírus através de suas picadas. A cinomose felina é mais comum nos gatos não vacinados que vivem muito próximos, como em uma loja de animais, um abrigo de animais ou uma população de gatos selvagens.

Imunidade a FPV

Um gato pode não ficar doente quando o vírus da cólera entra em seu corpo. Se ele desenvolveu uma imunidade ao vírus, seu corpo será capaz de destruir as partículas do vírus. Os gatos desenvolvem imunidade devido a uma vacinação ou a uma exposição não fatal anterior ao vírus.

Cell Attack

As células se dividem para formar novas células. As novas células reparam tecidos danificados e permitem que o corpo cresça. O vírus da cinomose felina ataca e mata rapidamente as células que se dividem no corpo de um gato. As células nessa condição são encontradas na medula óssea, no revestimento do intestino e no sistema nervoso de um gatinho que está se desenvolvendo dentro do útero de sua mãe.

Efeitos da medula óssea

As células que se dividem na medula óssea produzem glóbulos brancos. Essas células combatem invasores como bactérias e vírus; portanto, quando seu número é reduzido pelo vírus da cólera, um gato fica vulnerável a outras infecções. É por isso que os gatos com cinomose felina também podem sofrer uma infecção bacteriana. As bactérias são capazes de produzir uma infecção "secundária" porque o sistema imunológico do gato é enfraquecido pelo vírus.

A medula óssea também produz glóbulos vermelhos, cuja principal função é transportar oxigênio para as células do corpo e plaquetas, que desempenham um papel importante na coagulação do sangue. O vírus da cinomose pode reduzir o número de glóbulos vermelhos, uma condição conhecida como anemia. Às vezes, também diminui o número de plaquetas, uma condição conhecida como trombocitopenia.

Efeitos intestinais

Assim como nos seres humanos, o revestimento do intestino delgado de um gato é freqüentemente substituído por um revestimento novo, produzido pelas células que se dividem rapidamente. Essa substituição é necessária porque o intestino é uma passagem para alimentos e produtos químicos digestivos. O revestimento é danificado por esses materiais à medida que passam pelo intestino.

O vírus da cinomose impede a formação de um novo revestimento intestinal e fere o antigo. Como resultado, as úlceras se formam e o gato pode expelir diarréia com sangue. A cinomose felina também é conhecida como enterite infecciosa felina. "Enterite" significa inflamação do intestino delgado.

Efeitos do sistema nervoso

Se uma gata grávida for infectada pelo vírus da cólera, os filhotes em desenvolvimento poderão ser mortos ou feridos. O vírus afeta certas partes do sistema nervoso em desenvolvimento de um gatinho, incluindo o cerebelo no cérebro e a retina na parte posterior do olho.

O cerebelo é responsável pelo equilíbrio e pela coordenação dos movimentos musculares. O vírus da cinomose pode causar hipoplasia cerebelar em um gatinho, uma condição na qual o cerebelo não se desenvolve adequadamente. Como resultado, o gatinho tem problemas para controlar seus movimentos.

A retina contém os receptores de luz. Quando esses receptores são estimulados pela luz, eles enviam uma mensagem ao longo do nervo óptico para o cérebro, o que cria uma imagem. Gatinhos afetados pelo vírus da cinomose enquanto ainda estão dentro do útero da mãe podem sofrer de displasia da retina, um distúrbio no qual a retina se desenvolve de maneira anormal.

Hipoplasia Cerebelar e Ataxia Cerebelar em Gatos

Gatinhos que têm hipoplasia cerebelar nascem com problemas de movimento, uma condição conhecida como ataxia cerebelar. Esses problemas incluem falta de coordenação e equilíbrio, movimentos bruscos e tremores musculares.

Observar um gato afetado enquanto ele tenta se mover é muito triste para alguém que não está familiarizado com hipoplasia cerebelar, mas a condição não piora depois que um gatinho nasce e não é doloroso. O gato aprende a compensar um pouco sua incapacidade e tem uma vida útil normal, desde que o proprietário o proteja de possíveis perigos causados ​​por sua incapacidade de controlar totalmente seus movimentos. Proprietários de gatos com hipoplasia cerebelar e ataxia dizem que os animais podem levar uma vida feliz se fizerem parte de uma família amorosa. O desenvolvimento mental desses gatos é normal.

Possíveis sintomas da Distemper felina

Febre, depressão, perda de apetite e desidratação são geralmente os primeiros sintomas de distemper a aparecer. Um gato pode ficar sentado em frente à sua bacia por longos períodos, mas não pode beber.

Um ou dois dias após o primeiro aparecimento da febre, mais sintomas podem aparecer. Isso inclui o seguinte:

  • vômito, mesmo quando o gato não come nem bebe
  • diarréia, que pode ser sangrenta
  • dor abdominal, especialmente quando alguém toca o abdômen

Sintomas adicionais podem incluir:

  • uma descarga nasal
  • hipotermia (temperatura corporal baixa)

Em casos graves, o gato pode sofrer convulsões e choque séptico, uma condição na qual o corpo é sobrecarregado por uma infecção e a pressão arterial cai para um nível perigosamente baixo. Os gatinhos podem desenvolver cãibras tão rapidamente que podem morrer antes que o dono tenha certeza de que está doente.

Não hesite em ir ao veterinário

É vital que os gatos com qualquer um dos sintomas acima vejam um veterinário o mais rápido possível para um diagnóstico e tratamento. O tempo é essencial no tratamento da cinomose felina.

Obtendo um diagnóstico

Os sinais e sintomas da cinomose felina podem ser causados ​​por outros distúrbios. Às vezes, os sintomas se assemelham a envenenamento. Para chegar a um diagnóstico correto, o veterinário provavelmente fará um exame de sangue para verificar o nível de glóbulos brancos e talvez um exame de fezes para verificar a presença do vírus.

O veterinário pode sentir o intestino espessado e os gânglios linfáticos inchados no abdômen do gato. Os linfonodos são pequenas estruturas no sistema imunológico que são conectadas por vasos linfáticos. Os gânglios linfáticos combatem infecções e às vezes ficam inflamados quando o corpo de um gato está sendo atacado por vírus ou bactérias.

Um gato que se recuperou do FPV

Tratamento

Um gato tem uma melhor chance de sobreviver à cinomose se o tratamento for iniciado imediatamente. Portanto, um proprietário de gato deve levar seu animal ao veterinário logo após perceber um comportamento anormal, para que seja possível fazer um diagnóstico e iniciar o tratamento o mais rápido possível.

No momento, não existe nenhum medicamento que possa matar o vírus da cinomose felina. Essa situação pode mudar à medida que novas pesquisas são realizadas. Um veterinário provavelmente fornecerá cuidados de suporte para um gato doente, que trata os sintomas da infecção e não a própria infecção. Os cuidados podem incluir a administração de fluidos, eletrólitos e nutrientes intravenosos se o gato estiver desidratado e precisar de nutrição. Também pode incluir a administração de medicamentos anti-náusea e medicamentos para combater a dor. Antibióticos podem ser administrados se o gato tiver desenvolvido uma infecção bacteriana. Às vezes, uma transfusão de sangue é realizada se um gato está sofrendo de anemia.

Além de receber fluidos e medicamentos, um gato com cinomose felina precisa ser mantido aquecido. Carícias frequentes, atenção pessoal e alimentação manual podem ajudar a impedir que um gato muito doente perca a vontade de viver. O objetivo do tratamento de suporte é fazer com que o gato se sinta confortável e ajudar seu sistema imunológico a combater o vírus. Se o gato conseguir sobreviver por cinco dias enquanto recebe tratamento, a chance de se recuperar é muito maior.

Recuperação

A probabilidade de um gato individual se recuperar de uma infecção por FPV depende de vários fatores, incluindo a idade do gato, a saúde do sistema imunológico do animal e a quantidade de tempo entre o início da infecção e o início do tratamento. A Associação Médica Veterinária Americana relata que, sem tratamento médico de suporte, até 90% dos gatos afetados pelo vírus da cinomose felina morrem. Fornecer tratamento médico aumenta a chance de sobrevivência, especialmente se for realizado logo após o gato ficar doente. Gatinhos são mais propensos a morrer do que adultos, mas mesmo para adultos, a doença é muito grave.

Prevenção de Distemper em gatos

O método mais eficaz para prevenir a cinomose felina é a vacinação. Nesse processo, uma forma inativa ou alterada do vírus da cólera é injetada no corpo do gato. O sistema imunológico do gato produz anticorpos para atacar o vírus, exatamente como faria se o vírus estivesse ativo e em sua forma normal. Os anticorpos protegerão o gato se ele estiver infectado com o vírus da cinomose no futuro.

Gatinhos nascidos de uma mãe que é vacinada contra a cinomose recebem anticorpos para combater a doença quando tomam o primeiro leite que sua mãe produz. Este leite especial é chamado colostro. Os anticorpos são eficazes no corpo dos gatinhos por cerca de seis a oito semanas após o nascimento. Nesse ponto, os filhotes precisarão receber a primeira de uma série de vacinas. O número e o horário dessas vacinas dependerão da programação recomendada por um veterinário. Mesmo gatos de interior precisam ser vacinados, pois é muito fácil passar o vírus da cólera de um gato para outro, direta ou indiretamente.

Se um gato foi diagnosticado com cinomose felina, a área onde ele vive deve ser completamente desinfetada para evitar a infecção de outros gatos da família. O FPV é resistente a muitos desinfetantes, mas, de acordo com o Merck Veterinary Manual, uma imersão de dez minutos em água sanitária diluída mata o vírus. Um veterinário deve ser consultado sobre uma diluição adequada.

Impedir a propagação do vírus

Se você se deparar com o problema de remover o vírus da cinomose felina de sua casa, peça conselhos ao seu veterinário. É muito importante remover todos os vestígios do vírus de casa, não apenas para proteger os gatos que vivem lá no presente ou que viverão lá no futuro, mas também para impedir a transmissão do vírus para gatos fora de casa.

Vacinas para gatos

Vacinar animais de estimação em um tópico controverso. As pessoas discordam sobre os tipos de vacinação que devem ser administradas e com que frequência as vacinas devem ser administradas. No entanto, a vacinação contra a cinomose felina é muito importante para evitar uma experiência horrível e dolorosa para o gato e uma situação dolorosa para o proprietário.

Vacinar meus três gatos contra a cinomose é importante para mim. Não quero que eles sofram da doença ou tenham um resultado trágico da infecção. Prevenir a cinomose felina é muito mais fácil do que tratá-la.

Referências

  • Informações sobre a cinomose felina da American Veterinary Medical Association
  • Fatos sobre panleucopenia felina no Manual Veterinário Merck
  • Informações sobre o vírus da panleucopenia felina no PetMD
Etiquetas:  Cavalos Coelhos Roedores