Preparando-se para entregar um potro: Oito estágios emocionais de um criador de cavalos

Autor do contato

Qualquer pessoa que tenha uma égua em atraso pode reconhecer facilmente esses oito estágios do parto - em si mesmos. Depois de quase um ano de espera pela chegada do potro, ficamos um pouco impacientes!

Estágio Um: Excitação

Ah, a alegria que sentimos quando o veterinário, com o braço imerso nas regiões inferiores da égua, pisca para nós e diz: "Tem um bebê aí!" Que emoção! Em apenas 340 dias, haverá um potro novinho em folha, seus cascos minúsculos cobertos com "chinelos dourados", seu focinho coberto de bigodes suaves e seu corpinho felpudo coberto com aquele novo cheiro de cavalo. Nós apenas não podemos esperar. Não há nada como um novo potro.

Não há dúvida: estamos empolgados. Durante onze e alguns meses, nutrimos essa égua. Tentamos imaginar como será o potro; será um potro ou um potro? Que cor? Nós trabalhamos com genética de cores. Rascunhamos nomes em potencial em pedaços de papel. Marcamos a data de vencimento em nosso calendário. Felizmente dizemos a nossos amigos: "Oh - eu não posso ir naquele dia. Haverá um novo potro naquela semana!" Nós postamos fotos de nossa égua grávida no Facebook. Estamos empolgados.

Estágio Dois: Apreensão

À medida que o dia se aproxima, mudamos. Assim como o corpo da égua muda e o potro muda de posição, começamos a mudar de excitação para apreensão. Começamos a ler a pilha de livros sobre potros. Nosso coração dá um pulo quando chegamos à parte sobre "distocia" ou "bolsa vermelha". Sabemos que 90% das éguas potros sem nenhuma dificuldade - e que as éguas estão há milhares de anos sem a ajuda de nós - mas sentimos que devemos nos preparar para o pior, apenas por precaução. Lemos as histórias assustadoras, olhamos para as imagens assustadoras e começamos a temer o que pode - pode - dar errado.

Enquanto isso, nossa égua é perfeitamente feliz. Ela está gostando da atenção extra, da alimentação extra que damos para garantir que ela esteja recebendo nutrição suficiente para sustentar ela e o potro. Ela está adorando o tempo que gastamos cuidando de suas necessidades, mantendo a barraca ainda mais arrumada e cuidando dela para que ela fique linda nessas primeiras fotos com o novo filho.

Estágio Três: Negação

Mas o dia 340 vai e vem. Verificamos a égua religiosamente - várias vezes ao dia. Esprememos algumas gotas de leite, verificando a consistência e a cor. Observamos ensacamento, depilação, mudanças comportamentais, amolecimento dos músculos ao redor da cauda, ​​mudanças na forma do corpo. Dormimos no estábulo vazio do celeiro, cercado por sacos de dormir, berços, lanternas e xícaras térmicas cheias de café. Nos olhamos no espelho na manhã seguinte e tentamos lavar as olheiras por baixo dos olhos. Voltamos ao celeiro e olhamos novamente para a égua: isso não pode ser real. Ela não pode estar atrasada.

Cada vez que acordamos, corremos para o estábulo dos potros, olhando primeiro para ver se a égua está de pé e, depois, descendo. Sabemos imediatamente se ela foi atacada só de olhar para os ouvidos: quando um potro chega, os ouvidos da égua se inclinam para trás; o foco dela é inteiramente naquele bebezinho. Se seus ouvidos estão sobre nós quando nos aproximamos, ainda não há bebê. Nós não podemos acreditar.

Recalculamos os dias de reprodução. Algo deve estar errado: ela não pode estar atrasada. O dono do garanhão deve ter cometido um erro. Nós só arranjamos três dias de folga do trabalho para estar aqui. Isso não pode estar acontecendo. Por que eu, Senhor? Não podemos acreditar que, depois de todo o nosso planejamento, alimentação, nutrição e organização, nossa égua não está produzindo.

Estágio Quatro: Raiva

Estamos cansados ​​agora. Deveria ter potro três dias atrás. Passamos um ano preparando esta égua para este evento, e ela ainda não fez nada. Investimos em sua boa saúde e garantimos sua boa forma. Puxamos os sapatos, enrolamos o rabo e perdemos semanas de sono - e esse é o agradecimento que recebemos? Passamos de nossa bondade para irritação e raiva. Paramos de chamar a égua, "Sweet Mama", toda vez que estamos perto dela, e começamos a chamá-la de "Nasty Old Bag!"

Fomos traídos e não somos bons nisso. Os amigos ligam e perguntam: "Já chegou?" e nós juramos em voz alta. Dizemos a eles que vamos fechar a porta do celeiro da égua e apertar o bebê imediatamente. Eles riem. Nós desligamos.

Paramos de fazer massagens diárias e a perseguimos um pouco pelo curral, em parte porque sabemos que o exercício é bom para as éguas grávidas e em parte porque nos faz sentir melhor vê-la andando por aí dessa maneira.

Estágio Cinco: Negociação

A raiva não nos levou a lugar algum. Agora é uma data de vencimento da semana inteira. Estar cansado cedeu a uma exaustão de zumbi de corpo inteiro. Começamos a barganhar com a égua. - Vamos, pequeno Cody. Tenha o potro hoje à noite e eu nunca vou vender você. O que você quer, Cody? Mais farelos de farelo? O que você precisa de mim? Seja o que for, você o tem. potro, Cody. Tome esta noite. " Ela olha para nós com aqueles olhos grandes, redondos e macios. Ela levanta um pouco a cauda - recuperamos o fôlego em antecipação - e ela passa o gás. Mares.

Nós fazemos outras promessas. Prometemos que lhe compraremos uma nova máscara de mosca e que abandonaremos as esporas e que nunca a transformaremos novamente com a égua-chefe e a deixaremos empurrar. Traremos suas cenouras todos os dias e duas vezes nos finais de semana. Ela terá uma vida tão boa. Apenas tenha o potro. Parecemos um vendedor de carros usados: "Então, o que será necessário para você se tornar potro hoje à noite?"

Estágio Seis: Depressão

Estamos com dez dias de atraso agora. A égua gira como um ganso com uma fralda de cocô. Ei, isso pode não fazer sentido, mas quando é a última vez que dormimos decentemente? Estamos preocupados, cansados ​​e deprimidos. Estamos apáticos e temos problemas para ficar mais animado. "Então, bebê novo a caminho, hein?" alguém diz, significando bem. Nós os encaramos com tanta emoção quanto podemos reunir neste momento. "Sim, e quanto a isso?" nós murmuramos. "Tanto faz." Nesse ponto, achamos que desistiremos completamente dos cavalos se tivermos energia para fazê-lo. Por que criamos nosso cavalo de qualquer maneira? Nós somos perdedores.

Estágio Sete: Aceitação

Duas semanas de atraso e está tudo bem. Nós cedemos aos caprichos inconstantes e caprichos dos deuses pagãos do pônei. A natureza seguirá seu curso. "Quando essa égua vai potro?" nossos amigos perguntam. "Quando ela estiver pronta", sorrimos. "Você não está preocupado?" eles dizem. "Oh, não, aconteça o que acontecer, acontecerá", dizemos estoicamente. Paramos de embrulhar o rabo da égua todas as noites; sabemos que não podemos apressar as coisas. Reconhecemos que tudo pode estar bem, mas mesmo que não esteja, podemos lidar com isso. Paramos de dormir no celeiro.

Verificamos a égua à meia-noite. Ela está parada ali, perfeitamente contente. Nós estamos bem com isso. Temos uma atitude zen agora. Que sera, sera. O quê quer que seja será.

Três semanas se passaram. Quatro A égua já carrega o potro há mais de um ano. Chamamos o veterinário ... mas, em vez de fazer perguntas em pânico, deixamos uma mensagem animada: "Bem, já faz mais de um ano. Ela está seriamente atrasada. Mas ela não está angustiada e terá quando estiver pronta para ter. Falo com você mais tarde! " Passamos do passivo para o sublime. Nós dormimos.

Meu primeiro dia de Filly Sassypants em 2011

Estágio Oito: Excitação

Nós partimos para o celeiro. Afinal, já faz 368 dias desde a última criação da égua. Somos veteranos de combate de gestação endurecidos pela guerra. Já fizemos o nosso chai - da maneira certa, com um saquinho de chá, sem molho e mel, pré-mexido e derretido antes de adicionarmos o chai e um pouco de chantilly por cima. Afinal, por que se apressar? A égua não terá esse potro tão cedo, de qualquer maneira - diabos, já faz um ano. Por que se apressar?

Assim que saímos pela porta da frente, porém, sentimos isso. Podemos ver seus ouvidos inclinados para trás do jeito que eles fazem; seu pescoço, dobrado na enquete enquanto ela se aproxima para acariciar o que só pode ser um potro novinho em folha. Ela está alerta o tempo todo, brilhando - verdadeiramente brilhando. É verdade. Eles brilham. Eles exalam felicidade. Ela faz aquele barulho "hein, hein" que éguas fazem aos seus bebês. Começamos a correr, apenas devagar o suficiente para não assustar a nova mãe. Chai sai da xícara. Inferno, colocamos a xícara no meio dos arbustos. Estamos em um raio agora. Há um bebê novo! Está aqui! Está de pé! Ele tem todas as partes de cavalo novo, dedinhos, dedinhos - bem, cascos pequenos, enfim.

Começamos a ligar, enviar mensagens de texto, twittar e tirar fotos do bebê com nossos smartphones de uma só vez. "Está aqui!" é tudo o que precisamos dizer e o mundo sabe. Nossos amigos cavaleiros respondem: "Um buraco ou dois?" e percebemos que, em nossa corrida para verificar a placenta e mergulhar o coto umbilical, imprimir o potro e admirar as marcas brancas que não verificamos para ver se ele é ele ou ela. É embaraçoso em nossa empolgação perceber que acabamos de mergulhar a parte de seu menininho no anti-séptico e perdemos totalmente o coto umbilical, mas acontece. Estamos empolgados. Ele está aqui.

Nós conseguimos. Nós tivemos nosso potro. Ele é lindo! E parece que ontem mesmo criamos essa égua. Estamos criando de volta? Nós rimos. Claro! Mal podemos esperar para fazer isso de novo! Nada é tão emocionante quanto ter um potro pela frente!

Etiquetas:  Peixes e aquários Animais de fazenda como animais de estimação Cães